Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mãe-Galinha

PARA AS GRÁVIDAS

Rita, 02.06.04
Ontem prometi à grávida tia Mariana que aqui republica alguns post que tinha escrito para o primeiro blogue da prima MJ. Aqui vão:



Como continuar a usar roupa de não-grávida por uns tempos

(e não parecer um saco de batatas dentro da roupa de grávida)



É. Os primeiros meses são tramados porque a nossa roupa deixa de nos servir e a roupa de grávida fica-nos enorme (ainda bem que já há muitas marcas de bom gosto e com tecidos strech mas isso fica para a próxima).



1ª dica - colocar um elástico na casa do botão das calças e que depois prende às ditas, enrolando no botão. Usar uma camisola que cubra a trapalhice



2ª dica - usar suspensórios com as calças/saia desapertadas. Amo esta dica e sempre usufrui o máximo do uso deste magnífico assessório (que posso emprestar/alugar). Em Aveiro vende-se numa loja perto da Ponte Praça. Estranhamente, nas lojas de grávidas não se vendem suspensórios.

O único senão do uso deste assessório é que as mamocas começam a crescer e não sabemos muito bem por onde passar as alças.



3ª dica - Usar calças de ginástica, daquelas largas em baixo e com um atilho na cintura. Sugestões - Feira dos 28 e Pautónia (Em Lisboa, sugiro a feira de Carcavelos).



Grávida e na moda - é possível??



Bem, a resposta é .... quase!

Claro que uma grávida é sempre linda mas convenhamos que nem sempre é possível manter a elegância com tantos quilos e centímetros a mais.

Pessoalmente, acho que se a futura mamã não for muito gorda, deve fugir das roupas "saco-de-batatas". Mostrar a barriga está na moda e mal chegue o bom tempo, calças de cintura descida e mini t-shirts parecem-me o ideal! De preferência com uns desenhos engraçados na barriga, feitos com tintas de body-paintting (está aqui um "t" a mais?). Visto que nem sempre é possível aderir a estes ditâmes (quer por razões profissionais quer por razões pessoais), aqui ficam os meus conselhos, passando a óbvia publicidade:

1. A melhor loja para comprar roupa de grávida, tendo em conta a relação bom gosto-preço é a Benetton. Esta loja tem tamanhos 3-6 meses e 6-9 meses o que é óptimo.

Atenção porque só algumas lojas da rede dispõe de roupa pré-mamã.

2. Escolhendo bem, a PréNatal também é bastante boa mas muito cara. As gangas costumam ser engraçadas. Vale a pena para a roupa interior

3. A Pré Mamã não me convence (em termos de roupa) apesar de lá ter comprado umas jardineiras lindas!

4. Na Capital há mais opções, de entre as quais saliento a Veronique Delachaux (Amoreiras), a Cenoura (R. Brancaamp e Baixa) e a C&A (bons preços)



Ou seja, é preciso procurar e ir juntando umas pecitas daqui e outras de acolá.

Quanto às peças que considero indispensáveis, é óbvio que variam com a época do ano mas:

- Uma calças de ganga

- Umas jardineiras

- Uma saia

- Uma camisa branca (que se pode usar de mil e uma maneiras, com ou sem acessórios, etc)

- 2 ou 3 t-shirts (de manga comprida ou curta)

- Um casaco de malha

- Sweat-shirts

- Meias de compressão

- 3 bons soutiens (que já podem ser de amamentação)

- A partir de uma certa altura, uma cinta-cueca de sustentação

- Um fato de banho (para a piscina, que só faz bem, e para depois ir à praia)



Um conselho - Não comprar roupa enorme com o objectivo de dar para os 9 meses. As peças boas são ajustáveis e ficam sempre bem. É óbvio que a partir das 37 semanas nada serve mas nessa altura, who cares?



O mau feitio na gravidez

É verdade. A mais pura das verdades. Ter mau feitio faz parte do contarto de grávida. Sejam as hormonas, seja a ansiedade, seja lá o que for, grávida que se preze tem que demonstrar a sua dose diária de mau feitio.

Se à partida a pré-grávida se mostrava uma pessoa afável e pouco dada a estes descontroles, é provável que o mau feitio agora demonstrado não passe de uns "não me chateies que me doem as pernas" ou uns sorrisos mais amarelos.

Por outro lado, as pré-grávidas de personalidade mais vincada, caem agora nas malhas do mais terrível mau feitio. Amigas, é normal. Preparem-se para discussões conjugais, zangas com a família, desentendimentos com os colegas. Enfim, preparem-se para o pior. E o pior não é isto. O pior é que depois das descargas de mau feitio, a pior das grávidas transforma-se num ser maravilhosamente afável que os outros não conseguem compreender. Azarinho. Não entem, entendessem. É assim e ponto final. Não há explicação científica. Já rebusquei centenas de linhas de informação e nada. Por mim, é a lua. E as hormonas. E a falta de paciência para os que acham que estar grávida é a 11ª maravilha do mundo. (É giro, mas daí a ter que andar sempre com um sorriso de orelha a orelha, tenham dó!)



Não me ocorrem grandes soluções nem conselhos mas há algumas regras que vale a pena relembrar:

1) A grávida tem sempre razão

2) A grávida tem prioridade

3) A grávida tem direito a ter humor variável

4) A grávida está grávida e portanto, tem direito a ser tratada como tal - mimada, alimentada, amada, etc.

5) E o mais importante - a grávida vai ser mãe; está portanto em fase de apaptação a uma realidade indescritível. Deixem-na agora em paz. Depois o(s) filho(s) não lhe vão dar descanso. Nunca mais.
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5