Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mãe-Galinha

equações de segundo grau

08.02.13

Há obras no edifício onde trabalho e os homens estão martelar. Pum-pum-pum. Chegou-me uma nostalgia em forma de arrepio e demorei uns segundos a associar o pum-pum-pum ao resto da vida. Foi então que vi, nitidamente, uma equação de segundo grau numa folha quadriculada. E pum-pum-pum. No prédio ao lado do prédio onde eu vivia, há vinte e sete anos havia homens a trabalhar e a martelar paredes. Entretanto, xis ao quadrado mais seis xis mais doze igual a zero. Isto é também o que tenho feito nos últimos dias com uma filha que tem agora a idade que eu tinha quando o prédio ao lado do meu estava em obras. Xis igual a menos b mais ou menos raiz quadrada de b ao quadrado menos quatro ac sobre dois a. Tudo tão nítido.

O mesmo gozo com a dificuldade, com o prova que, com o demonstra. Resolver. Errar. Repetir. Pensar. Resolver. Refletir. Responder. Criticar o resultado.*

 

A parte mais importante, de todas as partes, de todas as equações, e de todos os problemas, é criticar o resultado. 

 

*Agora de uma forma mais pratica - tenho pânico que os miúdos não gostem de matemática. Ou não percebam. Desmistifico o melhor que posso (a maior parte das vezes com situações reais) e digo-lhes sempre que devem "ver se o resultado tem alguma lógica". Esta regra de criticarem o resultado desde pequenos tem ajudado muito. (Se tens sete e tiras três não podes ficar com oito)

 

Um dos jogos que causa mais intriga baseia-se no argumento da dicotomia de Zenão. Tentem fazer isto em casa. Se os miúdos forem suficientemente curiosos (e tiverem, vá lá, mais de 8 anos) vão ficar mesmo intrigados: Uma flecha é atirada de um arco. Para atingir o alvo, tem que percorrer uma distância. Quando a flecha chega a meio da distância total, falta percorrer a outra metade. Quando chega a meio da segunda metade, falta ainda a metade dessa metade. E assim sucessivamente, faltando sempre metade de metade e nunca sendo possível alcançar o alvo. Como é que a flecha chega ao alvo? 

O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5

4 comentários

Comentar post