Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mãe-Galinha

Espelho meu

Rita, 29.04.08

Talvez deixe de tomar banho todos os dias. Se aguentar o cheiro, talvez deixe de dar banho às miúdas. Vou fazer desaparecer os pentes e as escovas, deixo de limpar, colar e engraxar sapatos, vendo o ferro de engomar e não costuro mais joelhos rasgados das calças. Posso abolir o blanca express xpto e deixo andar as nódoas. Nunca mais uso rímel e não voltarei a caminhar de costas direitas. Vou substituir a carteira por um saco de plástico e, definitivamente, deixo de sorrir. Também nunca mais lavo o carro.

 

Assim deixo de iludir meio mundo e evito as bocas abertas de espanto e as bocas idiotas de quem não sabe que a vida pode ser assim, lavadinha e remendada, mas feliz.

 

Há dias, numa loja de tecidos que frequento amiúde, era tarde.

Eu estava com pressa e cansada e queixei-me.

- Ainda tenho que ir buscar as miúdas... nem sei a que horas vou chegar hoje a casa.

- Ah! mas chega a casa e tem o jantar pronto! A empregada deixa-lhe tudo pronto, não é?

- Qual empregada? Ah... Eu não tenho empregada.... Só vai lá a casa uma senhora às segundas feiras à tarde para dar uma limpeza.

- Não me diga! É que tem mesmo cara de quem tem empregada!

 

Vá lá! Antes isso do que ter cara de andar a raptar criancinhas ou a roubar velhotas.

Eu tenho cara de quem tem empregada. A minha cara espelha os meus desejos -  o meu sonho é ter uma empregada (interna e sem folgas).

 

Foi isto, e foi também aquela vez em que fomos ao banco negociar o empréstimo e

- Ahhhh ... não imaginava que estivessem tão apertados

Ou o dia em que veio da escola o papel com a conta das fotografias que não pedi e que recusei porque, simplesmente, não tinha dinheiro. Outra vez a boca aberta e

- Ah... É que as meninas andam sempre tão arranjadinhas...

 

E ainda esta semana uma idiota qualquer que aqui deixou  um comentário ainda mais idiota e que eu, obviamente, não aprovei. Insinuava a senhora que giro que era ter quatro filhos para a empregada cuidar e o balézinho e a palmadinha e o caralhinho .

 

Empreste-me lá a sua empregada que eu tenho muito que lhe dar que fazer.  E a si, minha querida, devia fazer-lhe tão bem um bocadinho de amor.

  

(Ter cara de quem tem empregada é ter bom ar, não é?)

 

O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5

46 comentários

Comentar post

Pág. 1/5