Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mãe-Galinha

ESPIRITO DE NATAL

Rita, 17.12.04
Com a melhor das intenções, a Mónica chegou com um embrulho cheio, vim depois a saber, de bolachas feitas por ela e pela mãe. Bolachas cheias de amor e dedicação, em forma de estrela, de árvore de Natal, de coração...

As bolachas foram oferecidas à professora de piano que, no final da aula, desceu as escadas e, sem sequer pensar na presença da Mónica, se dirigiu à mãe e disse:

- Eu vou aceitar o presente da Marta...

- Mónica - corrigiu a mãe.

- Ah! pois... Mas eu não costumo aceitar nada dos miúdos.

- Compreendo - disse a mãe, acrescentando:

- São uns doces. Fomos nós que fizemos.

(E eu sei que no meio do turbilhão que tem sido a vida da família da Mónica, estas bolachas foram feitas com muito sacrifício)

- Mas não torne a fazer, está bem?

- Está... - sussurrou a mãe



Conheço bem esta mãe e adivinho-lhe o prazer de dar, nestas alturas festivas. Eu também sou assim... Mesmo a contar o dinheiro para os bens mais essenciais, faço questão de fazer lembranças para todos os que tenho no coração e para aquelas pessoas a quem devo o bem-estar das minhas filhas. Nestas ultimas não deixo de incluir as professoras, educadoras, monitoras, pediatra e afins.



As lembranças só têm valor emocional. Além do nosso orçamento não permitir outros gastos, é no gesto que está a dádiva. Quer na nossa família quer na família da Mónica, estas lembranças são feitas em casa, com a colaboração das crianças.



Mas aquela senhora não entende nada do espírito de Natal, nem do espírito de sacrifício nem de espírito nenhum. Que relutância será essa a de aceitar ofertas dos alunos, crianças tão pequenas? Sentirá uma tentativa de suborno?

.....................................................................................

Do outro lado, esta manhã a Maria atravessa o recreio a correr, sem mochila, por ser dia de festa, e com um beijo doce e repinicado entrega à professora Paula o seu presente de Natal - um frasco mínimo cheio de mel, com uma tampa efeitada com ráfia e tecido vermelho, e com um mini-cartão de boas-festas assinado pela mão dela. A professora Paula sorriu e agradeceu:

- Feliz Natal!
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5