Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mãe-Galinha

Monólogo

Rita, 08.03.06
A Carmo adormece quase sempre na nossa cama e sou eu que a costumo levar para o quarto dela quando me vou deitar. Às onze e meia da noite chego ao quarto doida de sono. A única luz é a que passa pela porta entreaberta. Eu olho para a cama e não vejo a miúda. Numa fracção de segundo percorre-me um suor frio e imagino-a a abafar debaixo do edredão. Atiro-me aos lençóis, puxo tudo para trás, e nada.

Espreito o quarto dela e vejo-a a dormir serenamente na cama de grades. Respiro, desço as escadas e resmungo:

- Olha… Podias-me ter avisado que já tinhas levado a miúda para a cama dela.

A resposta é um sorriso que entremeia compaixão e ironia. Tenho tanto sono que nem me enfureço.
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5

4 comentários

Comentar post