Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mãe-Galinha

PARA A MARIANA

Rita, 30.12.04
e outras recém-mamãs de primeira viagem, como é o caso da minha querida Maria João.



Ninguém nasce ensinado, muito menos a ser mãe.

Ser mãe não se aprende. Vai-se aprendendo com o tempo e com a experiência e nunca se chega a aprender tudo. De repente, passamos do "ser filha" ao "ser mãe" e tudo muda. Muda mais na primeira vez e é por isso que decidi vasculhar as minhas memórias e tirar partido delas, partilhando ideias e experiências.

Não é fácil, esta tarefa. Primeiro, porque há infinitas probabilidades das minhas experiências não terem a mínima utilidade para outras mães. Segundo, porque há infinitas probabilidades de as outras mães, as mães-recentes, com as hormonas aos saltos e as noites mal dormidas acumuladas, não terem a mínima paciência para os conselhos de uma mãe armada em sabichona.

A mim, cabe-me tentar.

Sendo eu dada à organização extrema, nada melhor que uma lista. De A a Z



A

Água - sim, os bebés podem beber água. Se tiverem sede, podem. Se não tiverem, também podem, que a água não lhes faz mal nenhum. Normalmente, os bebés que só mamam, não têm sede. Os que bebem biberão, é natural que tenham. Os que já comem papas e sopas, têm de certeza.

Ar - Sim, os bebés podem apanhar ar. Puro, de preferência. Os passeios a pé fazem bem aos bebés e às mães que devem concerteza ter alguns quilos para emagrecer. Mesmo no Inverno, passear faz bem.

B

Banho - não vem mal ao mundo se, de vez em quando, o bébé não tomar banho. Aliás, há quem diga que só faz é bem à pele. Portanto, nada de fúrias para cumprir os horários do banho quando se está tão bem àquela hora noutro sítio qualquer.

Birras - Não são só os filhos dos outros que fazem birras e as birras dos nossos filhos são sempre piores de suportar que as birras dos filhos da vizinha. Para as birras, recomendo determinação e lexotans.

Biberão - Mesmo para as mães que dão mama, os biberãos podem ser muito úteis para deixar leite no frigorífico, ir ver o mundo lá fora e falar com alguém com mais de 50 cm.

Bolsar - Os bébés bolsam. Bolsar é normal. O bolsado azeda e cheira mal. "Bébé bolsado, bébé criado".

Há bolsar e bolsar. Quando é demais, prejudicando o aumento normal de peso, o caso tem que ser estudado.

Baby-sitter - ó amigas das mães e dos pais! ó amigas para todas as horas!

C

Cólicas - para as mães que dão maminha, não comer feijões, ervilhas e chocolates, ajuda. No geral, um colo calmo e quentinho e umas massagens na barriga dão resultado. Mas a solução final e única chama-se aero-om. Uma gotinha na chucha do bébé previne depressões pós-parto na mãe.

Cócós - Ninguém, nem mesmo os bébés, precisa de fazer cócó todos os dias e muito menos a horas certas. É claro que se o bébé berra desalmadamente e não faz cócó há dois dias, algo se passa. O BébéGel deve resolver. Por outro lado, há bebés que fazem cócó sempre que mamam - são uns chatos.

Choro - Constatação nº 1 - os bébés choram muito. Constatação nº 2 - às vezes as mães também choram.

Cremes - Para o rabo, para o corpo, para o cieiro da cara, para isto, para aquilo. Bolas!

D

Dia-a-dia - É a melhor maneira de conhecer o bébé. Dia após dia, ele descobre o mundo e a mãe descobre-o a ele. Um dia após o outro, devagar, sem pressas.

Deitar - A rotina do óó é uma das mais importantes e que deve ser cumprida desde cedo. Há por aí muitos meninos e meninas que só adormecem ao colo, ou no carrinho, ou a ver televisão, ou com o aspirador ligado... E porquê?

Depressão -A depressão pós-parto existe. Não é ficção.

Dó-dói-trim-trim - 808242400

E

Enxoval - Há uma coisa que não consta em nenhuma lista de enxoval e que é absolutamente indispensáveis ao bem estar de um bébé - Bom senso

Embalar - Todos os bébés gostam de canções de embalar. O pior é que há mães que não cantam um chavo. Cd´s.

F

Festas - os bébés odeiam festas (Natal, aniversário, casamentos), em especial os bébés até aos seis meses.Barulho, fuga às rotinas, colos desconhecidos e viagens longas, é óbvio que chateiam o bébé. Como os papás adoram festas, a baby-sitter é a solução.

Festinhas - Ao contrário das festas, vivam as festinhas! Fazer festinhas e massagens ajuda o bébé a relaxar e a crescer!

Fraldas - Um dia, fiz as contas ao número médio de fraldas que já mudei e multipliquei pelo tempo que demoro a mudar cada fralda. Impressionante.

(muito úteis são as velhinhas fraldas de pano - tapar o sol, assoar o ranho, embrulhar o bébé, ...)

G

Gatinhos - Às vezes os bébés chiam ao repirar. São gatinhos. É preciso ir ao médico.

Gases - Os bébés têm gases. E os gases cheiram mal. Tenho cá a minha ideia que quanto mais gases, menos cólicas. Mas pode ser só uma ideia.

Gotas - Quase todos os bébés têm que tomar umas gotas mal cheirosas (protovit ou cebiolon + vigantol, ou outras quaisquer) - A dúvida mais comum diz respeito à forma de dar as gotas. A resposta é óbvia - numa colher. Assim, na fase das papas e sopas, este já não é um objecto estranho.

H

Horas - Com um bébé pequeno, não há horas que cheguem. O melhor é esquecer os relógios por um bom par de meses e guiar-se pela luz solar e pela fome da criança. Depois, daqui a umas semanas, haverá tempo para tomar banho e lavar o cabelo.

Homens - Não são menstruados, não engravidam, não dão à luz, não amamentam. Ao menos que façam o resto das coisas.

I

Iogurte - A partir dos 5 ou 6 meses os bébés podem comer iogurte. O iogurte natural, que os pediatras aconselham a dar, assim, sem açucar e sem nada, comam-nos eles, que já são adultos e com o paladar mal amanhado. Os bébés só gostam de coisas boas. Os iogurtes naturais misturam-se com fruta e bolacha.

Instinto - É o institnto que nos guia. Mais do que as mães das mães ou as sogras das mães, mais do que as tias sem filhos mas que têm sempre umas ideias saídas sabe-se lá de onde, mais do que o pediatra que teima em encharcar a mãe de teorias, é o instinto da mãe que tem que prevalecer. Sempre. Ah! E o bom senso, claro.

J

Jogos - Os bebés gostam de jogos. Fazer caretas ao bébé, pôr o bébé ao espelho, espreguiçar o bébé, fazer barulhos diferentes, fazer cu-cu e esconder a cara. E gostam de jogos desde que nascem. (Poker não)

Janela - Na impossibilidade de sair de casa sempre que lhe apetece, aconselho as jovens mães a irem à janela de vez em quando, para que tomem consciência que existe mundo lá fora.

L

Leite - Palavra de honra que não sei como é que uma criatura que durante quatro ou cinco meses só bebe leite e ainda por cima umas quantas vezes por dia, não se enjoa!

M

Mãe - A partir de agora e para todo o sempre, uma nova identidade.

Mamas - Desenganem-se. No fim da amamentação voltam ao tamanho inicial mas em muito pior estado.

N

Nódoas - A roupa dos bébés pequenos também apanha nódoas. As piores e mais difíceis são as de cócó. As do bolsado, muito comuns, não dão trabalho nenhum

O

ÓÓ - Nos primeiros meses, o bébé passa a maior parte do tempo a dormir. Sou da opinião que durante o dia não estejam sempre a dormir na cama para que mais facilmente se habituem à rotina dia/noite. Dormir num relax, na cadeirinha de passeio ou num colchão noutro sítio da casa vão ajudá-lo a perceber as diferenças.

P

Papa - Normalmente, primeiro as sopas e depois as papas. O espectáculo é dramaticamente idêntico - comida por todo o lado menos dentro da boca.

Pediatra - O pediatra deve ser o melhor amigo da mãe do bébé. Deve ser facilmente contactável e estar quase sempre disponível. Deve ter uma função apaziguadora para as duvidas da mãe e de mestre do saber nos pequenos detalhes do bem estar do bébé. Às vezes o pediatra tem umas ideias fundamentalistas; nada que o bom senso da mãe não consiga ultrapassar.

Pai - O pai baba-se com o rebento. O pai tem ciúmes da atenção que a mãe dá ao rebento. O pai não entende a depressão pós-parto da mãe.

O pai tem que se habituar desde o primeiro dia a mudar fraldas, dar banho, vestir e pôr o bébé a arrotar. Há casos de pais que não conseguem tratar sózinhos dos filhos. A mim, isso faz-me confusão (apesar de admitir que muitas vezes, a culpa é das mães)

Peso - A mãe com peso a mais e o bébé com peso a menos. Em muitos casos, este é o cenário. Os bébés devem ser pesados todas as semanas. Em especial, os bebés que mamam, para que se avalie a qualidade do leite. Amamentar, faz perder peso. Mas não chega. Fica a flacidez. Só a ginástica é a solução (mas nada será como dantes)

Q

Quentinho - o bébé gosta de estar quentinho mas cuidado com o sobreaquecimento (um recém-nascido não se sabe defender). Nada de edredãos. O ambiente deve estar a uma temperatura amena (19º) e a casa deve ser arejada todos os dias.

R

Rabo assado - Por muito creme que se ponha (e sim, o creme põe-se em todas as mudas), os rabos acabam por assar. Solução, passando a publicidade - nada de toalhitas e creme Eryplast da Lutsine. (Vá-se lá saber porquê mas às vezes, quando nasce um dente, os rabos ficam assados).

Respirar - Não há nenhuma mãe que não vá espreitar o seu recém-nascido umas quantas vezes por dia e, ao vê-lo tão sossegado, não lhe ponha a mão junto ao nariz para sentir o calor da respiração. É normal e não é ansiedade a mais.

Rir - Recomendo à recém-mamã que pelo menos uma vez por dia arranje maneira de dar umas boas gargalhadas. No meu caso, socorria-me dos amigos McPherson .

Rotinas - As rotinas são um dos factores mais importantes para o bem estar dos bébés. A quebra das rotinas é uma dos factores mais importantes para a sanidade mental da mãe. É uma questão de equilibrio.

S

Sono - À medida que vai crescendo, o bébé tem cada vez menos sono. E a mãe tem cada vez mais sono. Enquanto o bébé não dormir a noite toda (e isso demora) a mãe vai ter que se aguentar. Ainda por cima, se amamenta, terá que se aguentar sem cafés.

Sopa - Quando chegar a fase das sopas, tenham dó dos vossos filhos. As primeiras sopas são no mínimo intragáveis. Enquanto não for introduzida a carne, ou pelo menos a maior parte dos legumes, a sopa resume-se a um creme alaranjado, sem sal e que, na maior parte das vezes, provoca prisão de ventre. Mas tem que ser. É uma etapa e outras se seguirão (pior que esta, só a dos alimentos sólidos, com engasgadelas e cuspidelas).

T

Tempo -Ah! Ah! Ah! Tempo? Não há.

U

Unhas - Não é nenhum drama cortar as unhas ao bébé (apesar de eu conhecer uma mãe que um dia fez um golpe no dedo indicador do seu filho recém-nascido ao cortar-lhe as unhas). As tesouras de pontas redondas não são grande espingarda. Um corta-unhas pequeno é muito mais prático. Tal como nos adultos, as unhas das mãos crescem mais depressa do que as unhas dos pés. Se não se cortarem as unhas com regularidade, o bébé pode arranhar-se e fica com um aspecto horrível.

V

Vaca -Vai chegar a altura em que a mãe que amamenta começa a desenvolver manchas pretas e brancas. Passa a usar um chocalho e em vez de falar, muge. Está na hora de introduzir o biberão.

X

Xixi - Não é preciso mudar a fralda ao bébé sempre que ele faz xixi. Uma fralda aguenta muito mais do que isso. Além disso, as fraldas custam dinheiro e poluem imensamente o ambiente.

Z

Zombies - É o ar mais comum das mães de bébés pequenos. Por muito que tentem disfarçar, não conseguem. Ou calçam um sapato de cada nação, ou põem rímel num só olho ou adormecem na esplanada. E andam sempre com um sorriso tonto de orelha a orelha.
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5

3 comentários

Comentar post