Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mãe-Galinha

dois centímetros

Rita, 11.06.07
Acordou da sesta e decidiu pôr as chuchas e a fralda encardida no lixo.
Foi a segunda vez que teve este impulso, de querer ser "crescida" e de deitar fora a tralha. E até disse:

- Não quero ficar com este buraco aqui ainda maior (o "buraco" entre os dentes de cima e os de baixo, por causa do arco causado pela chupeta). A Inês tem um buraco grande mas é porque partiu os dente (caíram). E já sou crescida, não preciso das chuchas. Olha mãe, o meu tamanho! Vai, vai deitar no lixo.

Escondi a tralha num armário.

Na primeira vez, aí há uns dois meses, ela pôs mesmo as coisas no caixote. Eu fui atrás dela e guardei tudo numa gaveta. À noite, quando as pediu, disse-lhe que estavam no lixo, que já tinham ido para o contentor e que os senhores tinham levado, e ela, tantas lágrimas
- Vai buscar, mãe! Vais buscar...

E eu fui.
Não foi a primeira, nem a segunda, nem a décima vez que voltei atrás com palavras, actos e decisões e ainda por cima com uma mentira (mais ou menos coerente):

- Esperas um bocadinho que eu vou lá fora à rua ver se ainda estão no contentor

e até me dei ao trabalho de abrir e fechar a porta da rua para que a pobre e enganada criança pensasse que eu estava mesmo a vaculhar os sacos de lixo.

Ontem resisti e apesar de ter as chuchas a dois metros da cama dela, expliquei-lhe que ela estava mesmo crescida, que estava a ficar com os dentes estragados, que estava tão crescida que até já andava no ballet. Não chorou uma única vez mas
- Não quero ficar aqui sozinha....
Fiquei com ela um bocadinho
- Afinal quero ir para a cama da Maria
Foi. A Maria cantou-lhe canções, leu-lhe histórias, mimou-a até que
- Olha mãe, não aguento mais. Ela não pára quieta e eu estou cheia de sono...
Subo as escadas pela décima vez:
- Carminho - e quase ralhei - se queres ficar aqui, é luzes apagadas e toca a dormir, ok?
- E as minhas chuchas?....
- Blá blá blá lixo blá blá blá crescida blá blá e eu agora vou lá para baixo e não quero conversas.
A Inês a dormir na cama ao lado.

Dez minutos depois:
- mãeeeee... - susurrado
- Diz lá
- Agora quero ir para a minha cama e quero o pai.

Isto eram onze da noite e a miúda costuma adormecer às nove e pouco.

Ouço o pai encher um copo com água (para ela). Depois, a miúda acabou por adormecer. Esta manhã media mais dois centímetros e estava inchada de auto-estima
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5

11 comentários

Comentar post

Pág. 1/2