Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mãe-Galinha

DO PAI-NATAL À ÁRVORE DE NATAL

Rita, 14.12.04
Relatar o facto faz-me espiar o medo que volte a acontecer e também a culpa por ter deixado que acontecesse.

Hesitei entre relatar ou ocultar. Sendo a segunda vez que acontece, serei porventura rotulada de mãe distraída ou despreocupada. Interiormente, e apesar de já me ter auto-criticado o suficiente, sei que não sou. Sou até mãe-galinha de mais.

Mas a Inês tem aquela dimensão muito própria das emoções. Se estávamos numa ponta do centro comercial junto ao Pai-Natal mas se a árvore de Natal era na outra ponta, porque é que ela não haveria de ir contemplar o brilho das bolas e das estrelas?

Foi. Bastou um segundo de desatenção minha, enquanto tirava a pequenita do carrinho.

Foi, mas não devia ter ido porque me deixou a mim e à Maria em pânico, sem saber para que lado correr, com os piores dos pensamentos a voarem na minha cabeça. Parei, pensei, expliquei a situação a um monitor que estava no atelier infantil e deixei com ele a Maria, não fosse o caso da Inês decidir retomar ao ponto de partida. Peguei no carrinho da Carminho e gritei, sabendo que não valia de nada:

-INÊS!

Uma senhora já velhinha olhou para mim e perguntou:

- Está à procura de uma menina?

- Sim...

- Está lá ao fundo - e apontou para o átrio da árvore de natal

Sem pensar, disse:

- Fique-me aqui com a bebé.

Ainda tive tempo de olhar para a Maria e ver um rosto sem expresaão. Assustado.

Corri o mais que pude. Não mais do que 150 metros. Uma mar de gente à volta de uma Inês em pânico, a chorar convulsivamente. Agradeci ao segurança que lhe pegava na mão e trouxe-a de volta, sem uma palavra. Ela já estava a ter o castigo que merecia. Agardeci também à senhora velhinha e ao monitor, reuni as minha três meninas, dei três passos e sentei-me a respirar.

- Olha Inês, temos que ter uma grande conversa - poderia ter saído da minha boca. Mas saíu da boca da Maria.

- Tu não tornas a fazer isto - continuou. Mas tu não és boa da cabeça?!

Naquele momento, demiti-me do meu papel de mãe e deixei-as tomar consciência dos factos. Passados uns minutos, já no carro, a Inês finalmente falou:

- Eu não sabia de ti, mãe.

Sem querer perpetuar o drama, e de coração apertado disse apenas:

- Mas agora já sabes. E estamos todas aqui.



(Sempre fui sózinha para todo o lado com as minhas três filhas. Não sei se o voltarei a fazer)
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5