Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mãe-Galinha

DÓI-DÓIS E PENSOS- RÁPIDOS

03.11.04
Pensei que a mania já lhe tinha passado há uns tempos.

Houve aí uma altura que eu não ganhava para pensos rápidos - tínhamos em casa uma consumidora compulsiva. Qualquer mínimo arranhão, borbulha, unha mal roída ou centímetro de cieiro eram um horror de dói-dói a precisar de rápido consolo com um penso-rápido. Cheguei a pensar que a mania se estava a transformar em obsessão mas rapidamente descobri que o acto de pedir o penso para o dói-dói eram também uma forma de chamar a atenção.

No infantário, não havia dia em que não fosse à enfermaria pedir um penso ou mercúrio ou hirudóide. A enfermeira já nem a podia ver aproximar-se da porta...



Durante uns tempos não se ouviu falar nem de pensos-rápidos nem de creminhos para o dói-dói. Agora tem andado com umas borbulhitas nas pernas e lembrou-se de dar uso aos que ainda restavam. A Inês, claro.
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5