Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mãe-Galinha

NÃO SEI

25.11.04
como ainda me surpreendo com as saídas da Inês.



Estávamos à jantar. Jantamos sempre todos juntos (salvo raríssimas excepções). Mesmo que a Carminho coma primeiro, fica à mesa connosco. O jantar, lá em casa, não é só um momento de alimentar o corpo. É também um momento de pausa nas corrida, de dálogo e, quase sempre, de momentos de boa disposição. Alimentamos também a alma.

Falamos do que fizemos durante o dia, do que almoçámos, enfim, disto e daquilo. A Maria, contente com cada nova aprendizagem na escola, dizia:

- Já sei tantas palavras começadas por M! - e continuou:

- Mãmã, mémé, mão, mãe, mimo - palavras pequenas, infantis, mas de tanta importância para quem dá os primeiros passos na aventura da leitura e da escrita.

A lenga-lenga das palavras curtas, começadas por M, continuou:

- Miau, mana ...

Do outro lado da mesa ouve-se alto e em bom som:

- Avó materna! Materna começa por M!

- Pois começa! - digo eu de olhos esbugalhados - E tu sabes o que é ser avó materna?

- Claro! É a mãe da mãe! Se fosse a mãe do pai seria a avó paterna. E paterna começa por P!

Suspirei. Nem sei se de contentamento ou preocupação, que esta criança é um poço de surpresas.



Passou-se a noite. De manhã, enquanto a penteava, passei-lhe com a escova na testa, sem querer.

- Ó Inês! Desculpa!

De sobrolho carrancudo e olhar faiscante salta-lhe da boca:

- As desculpas não se pedem. Evitam-se.

Engoli em seco, fiz-lhe dois tótós e refiz as contas à idade dela.
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5