Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mãe-Galinha

AS GINJAS

Rita, 04.01.05
sempre são dadas aos apegos.

Confirmou-se o dito do médico e, depois da gastroenterite da Inês, vemo-nos a braços com a pequena Carmo cheia febre, vómitos e diarreia.

O apetite foi-se de todo. Fazê-la comer seja o que fôr é um castigo que não merecemos. Hoje, segundo a avó, lá comeu um caldo de arroz. Da quantidade incontável de cócós de Domingo passou para uns 7 ou 8 ontem e hoje, a estas horas, meio do dia, a contabilidade cifra-se em um!



Domesticamente, isto das gasteroenterites é uma grande chatice. Roupa suja que não acaba, uma sujidade medonha, de vomitados e cócós. A máquina que não pára de lavar, o estendal onde já não cabe mais nada. E eu, ao serão, a dobrar roupa.



Como se não bastasse, a casa nova trouxe de volta as noites chuvosas da Inês e, noite sim noite sim, temos xixis até ao pescoço. A roupa para lavar triplica, com tanto lençol ensopado. Ontem, em desespro de causa, mesmo sabendo que não se faz, mas a precisar de dormir uma noite em condições, pus-lhe uma fralda. Ela nem deu conta, dormia o sono dos justos. Como que de propósito, esta manhã, na fralda, não havia pinga de xixi. Sem explicação.



Com tamanhas atribulações, vou-me esquecendo de mim e da constipação que não me larga há mais de dois meses. Esta tarde não trabalho e vou ao médico. Quero vitaminas, sff.
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5