Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mãe-Galinha

Verbo chover

Rita, 05.12.06
Parece que "chover" é um verbo impessoal e que
Eu chovo/tu choves/ele chove e por aí fora, não tem sentido gramatical.
A mesma gramática que nos ensina que eu não chovo, diz-me que, afinal, eu posso chover porque há uns recursos literários a que se chamam figuras de estilo que nos deixam quase tudo.
Ando um bocado baralhada com a história da TLEBS e concordo com quase tudo o que escreve a Inês Pedrosa aqui. Mas, e já escrevi isto algures, a mim não me assusta o nome das coisas; assusta-me é a ordem das coisas. Não será preciso, antes de mais nada, ensinar aos meninos do básico e do secundário a gostarem de ler e de escrever?

Entretanto, e porque incomun - hoje choveu e chove e choverá. As miúdas foram para a escola de galochas, que antes de entrarem nas salas ainda têm umas quantas poças para saltar. Na mochila levaram um par de sapatos.
- Depois quando chegarem à sala tiram as galochas e calçam os sapatos, ok?
Elas, espantadas com a novidade. Eu, a imaginar-me a viver num país nórdico.

Gostar de ler:


Eu Chovo, Tu Choves, Ele Chove
De Sylvia Orthof
(Editora Objetiva - Brasil)
O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5

2 comentários

Comentar post