Quarta-feira, 6 de Maio de 2009
Tum

Hoje tive um baque.

Foi de repente, no meio dum mar de gente. Fiquei sozinha com tanta gente à minha volta e deixei de ouvir (o que diziam). Agarrei-me à cadeira para não desatar a correr, respirei fundo e senti o baque.

 

Eu não sou daqui.

 

Depois saí , almocei e senti-me estupidamente bem por ter percebido, no outro bocado de tempo, que não era dali.

 

Foi a adrenalina dos últimos dias que me fez baquear. Acumulei cansaços e preocupações, amparei não sei quantas quedas, tratei feridas e até assisti a uma cirurgia, caramba. Havia de dar nalguma coisa e deu nisto. No baque.

 

Agora vou tirar os sapatos e vou-me embora descalça.


Dia(s) da mãe:  O Sebastião caíu da cama da Carmo para o chão. A Carmo deu cabo dum pé que ficou preso na roda da bicicleta da Inês. A Inês ofereceu-me uma compilação de textos escritos por ela -  a mãe chama-se, a mãe nasceu, a mãe casou, a mãe cozinha, a mãe é amiga e a mãe às vezes dá-me estaladas que me doem muito mas eu adoro-a na mesma.

Dou uns tabefes de vez em quando mas não me apetecia ler isto escrito num presente do dia da mãe.

A Maria dois dias murcha, com dores de cabeça e tonturas. Ocorreu-me que lhe faltavam os óculos e tudo se resolveu. A Maria ontem numa pequena cirurgia - menos um sinal e cinco pontos num braço.

 

Fomos ao tetaro, eu e elas. Gostei muito e chorei um bocadinho.

 


tags:

Rita às 13:33
link do post |

6 comentários:
De paula sofia luz a 6 de Maio de 2009 às 16:44
Moça, até fiquei com um aperto. Estás bem (apesar de tudo)?


De Guida a 6 de Maio de 2009 às 19:51
Ai mulher, que tu precisas é de descansar... Deixa-me adivinhar... O baque deu-te na reunião a que eu não fui, porque também achei que não pertencia e não ia lá fazer nada....

Bjos e as melhoras dos miúdos.


De isabel prata a 7 de Maio de 2009 às 10:45
esse baque não foi um ataque de pânico? acontece aos melhores sobretudo em alturas de tanto stress. é preciso respirar fundo e descansar.





De Margarida Atheling a 7 de Maio de 2009 às 11:56
Pudera...!
A minha filha, feitos os seis meses, estreou-se e ofereceu-me, também, no final do dia da mãe, uma queda da nossa cama (que é alta), um choro desesperado e o maior susto da minha vida. Estes miúdos...!

A música lá de cima ajuda, sim. É a minha preferida para gerir também os meus silêncios (e os dos outros).
Respira fundo, descalça-te e segue em frente com a força que te caracteriza.

As melhoras das miúdas!


De Lia a 7 de Maio de 2009 às 16:12
Se nada resultar, não tiveres como descansar, vai ao médico!
Não é para alarmar, é porque talvez ele possa mesmo ajudar...
beijo sentido e solidário!


De inesn a 7 de Maio de 2009 às 17:56
eu vi esse musical em londres e ADOREI! :))

as melhoras de todos...descansa!

*


Comentar post

O nome e os conteúdos deste blogue estão protegidos por direitos de autor.
© Rita Quintela
IBSN 7-435-23517-5
.Correio

e-mail